terça-feira, 16 de maio de 2017

                                                                                                   
       

Guarabira, 16 de maio de 2017

                                                                CARTA ABERTA


        Vimos convidá-lo  para renovar o nosso contrato de divulgação da sua empresa no Programa SEM FRONTEIRAS, que está no ar há onze anos, na RÁDIO RURAL DE GUARABIRA.     
Na grande Guarabira, o Programa Sem Fronteiras é líder de audiência, medida pelos telefonemas que recebemos a cada domingo, (no ar ou na linha interna), atestando assim  o que afirmamos, isto é, divulgando no SEM FRONTEIRAS você está levando a sua Empresa às cidades circunvizinhas, como  Cuitegí, Alagoinha, Alagoa Grande, Areia, Pilõezinhos, Araçagí, Itapororoca, Rio Tinto, Mamanguape, entre outras cidades, além da Zona Rural de Guarabira.
Se você acredita no seu empreendimento e quer crescer, anuncie, de preferência na RÁDIO RURAL DE GUARABIRA, no programa SEM FRONTEIRA, que funciona assim:
        A divulgação é veiculada seis vezes por dia nos diversos programas da Rádio Rural e aos domingos, no PROGRAMA SEM FRONTEIRAS, é feita de meia em meia hora, durante o programa e o testemunhal, pela apresentadora do SEM FRONTEIRAS,  de 15 em 15 minutos.
        O preço? Cabe no seu orçamento. Ligue 83 – 8888-1587 / 3271 – 1587 e iremos até você. Simples assim.
         A título de ilustração: Alguém acredita que a COCA-COLA precisa de divulgação? Pois até no Polo Norte tem cartaz: BEBA COCA-COLA...BEBA COCA-COLA! E a COCA_COLA, não dá nenhuma atenção aos adversários e continua crescendo!
Informe-se sobre o valor: 9 8888-1587.

                                      Atenciosamente,
                                   MARISA     ALVERGA   


               RESPONSÁVEL PELO PROGRAMA SEM FRONTEIRAS: MARISA                            ALVERGA - Aos domingos no horário das 09:00h às 11:00h
                                    RÁDIO RURAL DE GUARABIRA
                                      

Olá, mamãe!
Hoje, quando o professor pediu para que escrevêssemos sobre alguém ou alguma coisa, eu resolvi escrever sobre você. Muitos filhos só fazem isso no Dia das Mães, mas eu acho que todo dia é dia das mães, já que você não deixa, um dia sequer, de ser minha mãezinha dedicada. O que eu quero dizer mesmo, é que você é muito importante para mim, e vou escrever, em poucas palavras, o que penso sobre você.
Logo que eu nasci, ainda não podia compreender porque, às vezes, você deixava cair algumas lágrimas na minha barriguinha, enquanto me enxugava depois do banho. Nem entendia porque suas irmãs e sua mãe lhe diziam palavra amargas e chamavam você de irresponsável.
Muitas vezes, você dizia que me amava e que ninguém iria tirar-me de você nem você de mim, e eu me sentia seguro por isso. Eu sabia que havia alguma coisa diferente, pois você sempre ficava sem jeito quando tinha que preencher alguma ficha com meus dados pessoais, e precisava escrever o nome do pai. Na minha ficha, esse espaço sempre ficava em branco.Eu nunca havia notado a diferença, pois você e suas irmãs também não tinham pai, mas agora eu sei que ser viúva é diferente de ser mãe solteira.
Eu só fiquei sabendo o que significava ter um pai na escola, quando meus colegas faziam cartões para entregar a esse personagem, completamente desconhecido para mim. Quando me dei conta de que não tinha um pai para me defender e me proteger, eu fiquei muito triste, afinal, meus colegas todos tinham pai, menos eu.
Mas eu não quero falar sobre pais, quero falar de você mamãe. Quero lhe agradecer por ter me deixado nascer, apesar das dificuldades que iria enfrentar e enfrentou, com muita coragem. Quero agradecer por não ter me negado seu ventre. Depois que cresci fiquei sabendo que muitas mulheres fazem isso quando abandonadas por homens fracos que não assumem a paternidade.
Quero agradecer pelas noites que você ficou acordada sobre meu berço, mantendo a morte afastada, enquanto eu queimava de febre. Desejo lhe agradecer por ter enfrentado as pessoas que lhe chamavam de irresponsável e leviana, quando você contou que eu iria nascer. Talvez elas falassem isso porque não soubessem muito bem o que significa ser leviano e irresponsável.
Quero lhe agradecer, mamãe, por todas as vezes que você correu comigo nos braços para não perder o ônibus. Agradecer por você ter renunciado a tantas coisas para pagar o dentista, o pediatra e comprar remédios para mim. Por não ter ido ao cinema para me fazer companhia. Por ter deixado de sair com seus amigos para cuidar de mim. Eu sei que não foi fácil para você, mas, acredite mãezinha, para mim isso foi muito importante.
Hoje eu já sou quase um rapaz e sei reconhecer o valor de uma mãe. Principalmente de uma mãe que enfrenta sozinha a barra de criar um filho com dignidade. Sei também que não são só as mães solteiras que   
Hoje eu já sou quase um rapaz e sei reconhecer o valor de uma mãe. Principalmente de uma mãe que enfrenta sozinha a barra de criar um filho com dignidade. Sei também que não são só as mães solteiras que Tarde demais, como eu."
A morte é um afastamento temporário entre os seres que habitam planos diversos da vida.
Embora saibamos disso é compreensível a dor que atinge aqueles que se vêem afastados de seus amores pela ocorrência da morte.
Muitas vezes essa angústia decorre do arrependimento pelas condutas equivocadas que os feriram, ou que não demonstrar o verdadeiro afeto que sentíamos por aqueles que partiram.
 Às vezes são as mães que partem, outras são os filhos, ou os pais, os amigos ...
 E tantas coisas deixam de ser ditas, de ser feitas, de ser
vividas ...
Pense nisso!
A vida é marcada por acontecimentos inesperados que a transformam, muitas vezes, de modo irreversível.
Cuide de seus amores porque, embora eles sejam para sempre, poderão não estar sempre ao seu lado.


POSTADO POR MARISA ALVERGA

Obs. Desconheço a autoria







                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             

                           

terça-feira, 2 de maio de 2017

Para Laura Cristina: OSMAR DE AQUINO – CEM ANOS DE SAUDADE

                                                                                                           
 “O grande homem é aquele que enrubesce quando elogiado e  permanece em silêncio quando difamado”.
                        Conheci um homem assim e tenho pena de quem não o conheceu, porque foi privado do direito de amar alguém cuja estirpe se extinguiu. Amá-lo era obrigação de quem o conhecia. Era o amor na sua mais pura essência; um amor sublime, acima das baixezas do mundo, acima das coisas torpes e vis da terra. Era a imagem do amor. Do amor puro como o sorriso de um recém-nascido, cristalino como a água santa do batismo.
                        Assemelhava-se ao sândalo que perfuma o machado que o fere. Um novo Midas, transformando em amor tudo quanto tocava. Nunca se ouviu dos seus lábios uma palavra áspera de ódio ou de maldade.
                        Erudito, letrado, estudioso, intelectual, poliglota, desconhecia em todos os  idiomas a palavra “NÃO”. Tinha sempre um pensamento carinhoso, um gesto amigo, uma palavra de bondade. Era todo ternura.
                        Não se intimidava ante os poderosos. Não recuava diante da dor e enfrentava o perigo com a mesma altivez de um Alexandre Magno. Não entregava o amigo e defendia o inimigo. Grande nas suas atitudes, os seus princípios eram inegociáveis. Era comum ouvi-lo dizer: “Eu só tenho medo que o povo pense que eu tenho medo”.
                        Não conhecia o ódio. Ia em defesa dos pequenos, dos menos favorecidos pela sorte com a grandeza que sempre o caracterizou.
                        Altivo, sereno, forte, grande, incomensurável, amigo, leal, corajoso. Firme nas suas idéias e nos seus ideais, nunca vacilou ante os embates e vicissitudes da vida e parafraseava Sócrates, quando dizia: “O que é a morte, afinal, senão um agradável sono após um árduo dia de trabalho?”
                        Mirava-se no espelho de Cristo no “amai-vos uns aos outros”, divisando entre as trevas do ódio, a claridade divina do amor ao próximo. Participava do sofrimento alheio, compartilhando a dor do seus irmãos, a levar-lhes a centelha viva do perdão e do carinho, na sua simplicidade de homem bom.
          Dele podia-se dizer que era uma epopéia de luzes, cores,música, alegria, sorriso e flores.
                        Um homem assim não morre nunca. Tomba nos campos de batalha da vida, lutando até o último instante como um herói, para renascer mais forte ainda nos corações dos que se vivificam com o seu exemplo.
                        Não, Osmar não morreu. Apenas Deus o  levou mais cedo para ensinar aos anjos a arte de amar.
                        Partiu numa viagem sem volta, levando consigo as suas boas obras. Aqui deixou plantada a saudade que viverá eternamente.
                        Vi-o antes da partida final. Levei-lhe o meu derradeiro adeus, misturado às minhas lágrimas de dor e de saudade .
                        Deixou esta terra por um Reino encantado e hoje, no Palácio divino, incrustado no seio de Deus, divisa-se um homem com 1:82m de altura,  um rosto sereno e belo, uma alma pura e cristalina, um voz portentosa e varonil . Ao seu redor uma legião de anjos embevecidos escuta essa voz. Ninguém fala, ninguém sussurra, quando Osmar de Aquino, recordando setembro de 1964, em Guarabira, falava para outra plateia, tão atenta e silenciosa quanto esta.
                        “Volto ao teu seio, terra estremecida das minhas angústias, das minhas alegrias e dos meus sonhos.
                          Eu não tenho medo de morrer, como não tenho de viver. Tenho como Neruda, pronta a minha morte. Quero morrer entre os pobres que não tiveram tempo de estudá-la, e não entre os que, senhores de todos os privilégios na terra, pagam ainda, metafísicos para dividir e arrumar o céu, somente para eles. E ficarei contente com o pouco que para mim será tudo; quando terminar o “milagre da vida”, possam os lutadores da nossa causa, ao passar na chamada lousa fria, dizer simplesmente: foi um companheiro. Não, não sussurramos farisaicamente o nome de Cristo, mas temos no coração as suas palavras de fogo contra iníquas desigualdades, a sua cólera da verdade”.
                        É aplaudido de pé, como outrora o fora em Guarabira. E nos seus olhos, límpidos e serenos, uma lagrima surge. É a saudade que o acompanha à morada etérea.
Tu não morrestes, Osmar, pois ninguém sendo querido como tu fostes, poderá morrer um dia. Apenas és hoje hóspede de Deus e Deus é vida. Lá encontrastes a paz, a salvo da maldade, da calúnia, do ódio e da difamação. Aqui serás lembrado eternamente, como o arauto de Deus, em defesa dos pobres e oprimidos; a tua voz ecoará pelos quatro cantos da terra, como um novo Batista. O teu exemplo enriquecerá os homens sedentos de justiça e a luz que irradias, iluminará as mentes sãs dos que hoje veneram a tua memória.
Nunca morrerás no coração da tua Guarabira, que galhardamente comparavas a Paris. Continuarás sendo o ídolo, o mestre, o companheiro, o amigo, aspergindo o perfume do teu amor entre os que aqui ficaram. Um dia estaremos todos juntos na eternidade, compartilhando a tua glória, e as nossas lágrimas já não serão de saudades pois choraremos de alegria pelo reencontro com o homem que fez da sua vida um exemplo. Exemplo que deixou á sua geração indelevelmente gravado no livro da posteridade.
                                      Guarabira, 11 de dezembro de 2016
                                                                                                  Marisa Alverga
Música preferida de Osmar: LUZES DA RIBALTA